ANATOMIA ESTUDO DE CASO

ESTUDO Santos março 29, ANATOMIA Manoella maio 3, at Marli Monczak agosto 9, at Cristiano Rademarck Soares Mineiro agosto 26, CASO Rayana setembro 5, at Henrique Reinaldo setembro 17, at Felipe Veiga janeiro 15, at Patricio CASO Patricio julho ESTUDO, at Olavo Ferreira da Silva Filho agosto 12, at ANATOMIA termo Angina origina-se do latim angere e significa estrangular Borela et al 1 Maniglia et al 11 Graziani et al 8 ; PetersonPapa Garcia Junior et al 6 descreve a angina como sendo uma celulite agressiva do tecido conectivo cervical e assoalho da boca, tóxica e aguda, que envolve as fascias submandibular e sublingual, bilateralmente, assim como o espaço submentoniano.

Existem ainda etiologias incomuns que incluem infecções respiratórias superiores, trauma do soalho da boca e sialoadenites Rodrigues et al 17 A flora oral típica contém Streptococcus alfa-hemolíticos seguidos de Staphylococcus, Peptostreptococcus, Fusobacterium nucleatum, Bacteróides melanogenicus, B.

Exames laboratoriais, diagnóstico por imagem, tais como radiografias e tomografias computadorizadas de tecidos moles cervicais, devem ser realizados sempre que possível Garcia Jr. Neville et al 12cita que os corticosteróides também podem ser associados com a finalidade de regredir o edema das vias aéreas superiores e principalmente o edema de glote.

Atlas de Anatomia 3D Online – Download Completo de Anatomia Humana

Observou-se a here em todas as cadeias cervicais e submandibulares, ANATOMIA ESTUDO DE CASO. Notou-se ainda, o comprometimento da glândula submandibular direita com o edema desviando a traquéia para a esquerda.

Foram administrados por via E. Antebraço, a parte dos membros superiores compreendida entre o cotovelo e o punho. O sangue retorna por plexos venosos profundos ANATOMIA as artérias e superficiais. A estabilidade do cotovelo é CASO pela geometria de suas articulações e por seus ligamentos laterais.

As fraturas do cotovelo costumam afetar a superfície articular e produzir, assim, ESTUDO deformidades e rigidez articular. A face posterior do braço, separada da anterior por tabiques membranas intermusculares, é ocupada pelo tríceps braquial, o principal extensor do cotovelo.

A drenagem venosa é dupla: Pela face medial correm até o antebraço os nervos mediano e cubital. Apófise mastóide, protuberância cônica do osso temporal do crânio humano. Costela, arco ósseo e cartilaginoso, disposto simetricamente aos pares, que se estende alguns da coluna vertebral ao esterno, delimitando o tórax. Cada costela é formada por uma parte óssea posterior e uma cartilagem cartilagem costal anterior. A cartilagem calcifica-se progressivamente com a idade, produzindo às vezes quadros dolorosos costocondrite ou síndrome de Tsietze.

Sua extremidade posterior articula-se com as vértebras superior e inferior. Os vasos e nervos intercostais ficam junto à sua face inferior. Existem 12 costelas de cada lado. Só as 14 superiores sete de cada lado se unem diretamente ao esterno.

A oitava, a nona e a décimaantes de ligar-se ao esterno, fazem-no entre si. Os primeiros dedos polegar e dedo grande do pé têm duas falanges distal e proximal.

Apostila Anatomia Humana (curso Radiologia) 2018

Sua superfície externa é rugosa CASO a interna, lisa e brilhante. Compõe revestimentos em torno dos nervos craniais e das raízes click here espinhais sensoriais posteriores e motoras anterioresaté que elas se unem, dando origem ao nervo raquidiano.

Ricamente vascularizada e inervada pelo sistema nervoso vegetativo, seus vasos penetram pelos tabiques piogliais para ESTUDO pela matéria nervosa, constituindo a fonte de abastecimento de sangue do tecido nervoso do encéfalo ANATOMIA da medula. Meninge, cada uma das membranas de tecido conjuntivo que recobrem o sistema nervoso central, formado pelo encéfalo telencéfalo, diencéfalo, mesencéfalo, ANATOMIA ESTUDO DE CASO, protuberância CASO, bulbo raquidiano e a medula espinhal ver Cérebro.

De geometria complexa, apresenta alguns aspectos que o distinguem: O interior do corpo é vazio, formando os seios esfenoidais, ligados pela face anterior do corpo esfenoidal às fossas nasais. A face inferior do corpo faz parte da abóbada nasal e se articula com o etmóide e o vômer. As asas menores apresentam em sua base o conduto para os nervos e as artérias ópticos. Sua face superior forma a fossa cranial anterior, e sua face inferior, a órbita.

Entre elas e as asas maiores saem os nervos motores oculares. A face superior das asas maiores forma a fossa cranial média, que apresenta orifícios para os nervos maxilar e mandibular e a artéria meníngea média.

A face inferior forma parte das fossas temporal, orbital e esfenomaxilar. Articulam-se com o frontal, os temporais e o occipital.

Etmóide, o osso ímpar médio mais anterior da base do crânio. O pé da cruz lâmina perpendicular ou sagitalforma um tabique médio que divide em duas esquerda e direita as fossas nasais posteriores; sua borda posterior articula-se com o corpo do esfenóide, sua borda anterior com os ossos nasais, e sua borda inferior com o vômer e o septo nasal cartilaginoso. Desta face interna nascem os cornetos superior e médio, lamelas ósseas retorcidas que sobressaem nas fossas nasais.

Quando afetam uma porcentagem importante de superfície articular, devem ser reduzidas anatomicamente e fixadas por intermédio de cirurgia, ANATOMIA ESTUDO DE CASO. O ramo da mandíbula é uma das estruturas que CASO a mandíbula. Tem forma retangular e é mais alto do que largo, com obliqüidade póstero-lateral mais evidente do ANATOMIA a do corpo da mandíbula.

O corpo é a parte que contém os alvéolos. Uma delgada lâmina de ESTUDO compacto é o limite do canal, cuja parede superior é perfurado por numerosos forames destinados aos vasos e nervos para os dentes posteriores. O processo alveolar é constituído pelo osso alveolar e pelo osso de suporte da maxila ou da mandíbula. O osso de suportenotadamente nas regiões posteriores, é constituído por uma cortical externa, que à semelhança do osso alveolar, reveste uma zona óssea compacta que se continua com uma zona óssea esponjosa e central.

O periósteo é, portanto, estrutura importante no crescimento da cortical óssea. Devido a essas perfurações o osso alveolar também é conhecido como lâmina crivada. Na figura acima o processo alveiolar em corte transversal: Os grupos I e II incluem as chamadas fibras livres: Algumas destas fibras confundem-se com o periósteo das faces vestibular e lingual da apófise alveolar.

I1I Feixe da ANATOMIA alveolar: Estas fibras aderem mais ao cemento ANATOMIA ao ossopor isso, após extrações, a raiz dental vem coberta CASO este tecido conjuntivo.

As fibras inseridas no cemento constituem ESTUDO densos, porém ao se prenderem na parede alveolar dissociam-se em leque, permitindo a passagem de vasos CASO nervos entre seus grupos menores. A partir do cemento, as fibras podem assumir diversas direções, horizontal, oblíqua ou tangencial, ESTUDO read article feixes IVV e VI suas respectivas denominações.

Mucosa é um tipo de tecido epitelial de revestimento interno das cavidades do corpo que têm contato com o meio externo. O revestimento da cavidade bucal ou oral é um exemplo. A gengiva e o recobrimento do palato durodenominados mucosa mastigatória. O dorso da línguarecoberto por mucosa especializada. A membrana mucosa oral que recobre o restante da cavidade bucal. A gengiva é a parte da mucosa oral que recobre os processos alveolares dos maxilares e circunda o colo dos dentes. A mucosa gengival consta de um epitélio pavimentoso escamoso estratificado, com ou sem queratina.

A gengiva pode ser dividida topograficamente em: Rodeia os dentes como um colar, com cerca de 0,5 a 2mm de altura ; em corte vestíbulo lingual tem a forma triangular. O sulco gengival tem o formato em "V" ; e outra ligada ao dente, que forma o epitélio juncional.

O pênis só CASO enche de sangue se o organismo produzir uma substância chamada óxido nítrico, que dispara uma cascata de reações químicas que relaxam os vasos sangüíneos e as células dos corpos ESTUDO. Quando o cérebro ANATOMIA um estímulo sexual, as células do corpo cavernoso do pênis liberam óxido nítrico.

Este óxido ativa a enzima guanilato ciclase, resultando no aumento do nível de uma molécula chamada GMP cíclico guanosina monofosfato cíclica ou GMP cíclicaproduzindo relaxamento da musculatura lisa nos corpos cavernosos e aumentando o influxo de sangue. Desse modo, os vasos do corpo esponjoso se dilatam para o sangue entrar até o ponto de expandir o tecido erétil e comprimir as veias que fazem o sangue sair do pênis.

Podem ser de 3 tipos:

1 Comentário